sexta-feira, 6 de junho de 2014

A Copa do Mundo não é a fonte de nossos problemas

A Copa do Mundo pode ser criticada por uma série de razões, mas ela não explica a qualidade da saúde e da educação pública.


O estudante americano Silvester Allan, de 21 anos, se prepara para a Copa do Mundo do Brasil desde 2012. Nas férias, procurou emprego para juntar dinheiro e apelou para os parentes para engordar as economias. Não se abalou nem com as notícias que leu de violência nos protestos de rua durante a Copa das Confederações, no ano passado. Assim que a FIFA abriu sua bilheteria eletrônica, comprou os ingressos pela internet. Depois, cuidou da reserva nos hotéis. No começo de junho desembarca no Brasil e pretende acompanhar a Seleção dos Estados Unidos nos três jogos da primeira fase, contra Gana, Portugal e Alemanha, sem muita esperança de ir às oitavas de final, mas já decidido a ficar por aqui mais uns dez dias para conhecer melhor o país.
 
Mais de 81 mil americanos fizeram como ele e já reservaram passagens aéreas para o Brasil durante o mundial. Outros 290 mil turistas fizeram o mesmo pelo mundo todo, de acordo com levantamento da Forward Keys e da Pires & Associados que não registra voos chartersnem quem vai entrar no país por via marítima ou rodoviária, como argentinos e uruguaios. Os hotéis de cidades como o Rio de Janeiro registravam a vinte dias da copa uma taxa de reserva de 88%, com perspectiva de crescer mais dez por cento até o início da competição. "Se violência assustasse, americano não saia de casa. Acho que, apesar dos problemas, o Brasil vai perceber que a Copa do Mundo não é a fonte de seus problemas e fará uma grande festa para o mundo", diz Silvester Allan.

A menos de 15 dias da solenidade de abertura, que terá um show de bailarinos e Jennifer Lopez e Cláudia Leite cantando a música-tema 'We are one' na Arena Corinthians, em São Paulo, o brasileiro parece finalmente ter decidido trocar o choro dos erros na organização para se entregar à festa da paixão pelo futebol. Afinal, além do desfile dos maiores craques do planeta, os gargalos de telecomunicações, aeroportos e hospedagem parecem ter sido exagerados. O governo federal reforçou a segurança com modernos centros de operações nas doze cidades-sede e 20 mil homens das Forças Armadas nas ruas. Os novos estádios ficaram caros, mas enfeitam os olhos do torcedor. Quatro de cada dez brasileiros que viajavam para o exterior nesta época do ano adiaram os planos para acompanhar a festa aqui. Inacreditável: a previsão inicial de que o evento atrairia mais de 600 mil turistas estrangeiros e movimentaria outros três milhões de brasileiros, sem falar nas 73 mil horas em que o país estará em exposição para três bilhões de pessoas durante um mês inteiro, pode se tornar um gol de placa.

"É hora de o Brasil esquecer o complexo de vira-lata e celebrar a Copa do Mundo", disse a empresária Jeanine Pires, ex-presidente da Embratur, em um seminário sobre turismo realizado segunda-feira no Rio de Janeiro. O sentimento apontado pelo escritor Nelson Rodrigues diante dos fracassos futebolísticos nacionais antes de o Brasil conquistar a Copa do Mundo de 1958 parece ter batido no fundo do poço quando o ex-jogador Ronaldo Fenômeno, que ironicamente é integrante do Comitê Organizador Local (COL) da Copa, declarou, depois de posar para uma foto com Aécio Neves, candidato do PSDB à Presidência da República, estar envergonhado pelos atrasos e problemas enfrentados pelo país às vésperas da competição.
 
"É preciso examinar o que foi feito sem os preconceitos e mitos de que a Copa do Mundo do Brasil será a mais cara de todas, porque inclui investimentos para infraestrutura que só foram antecipados por causa do mundial. Contabilizar esses investimentos como custos da copa é um equívoco. O custo dos estádios do Brasil está no mesmo patamar da média praticada na Copa da Coreia do Sul e do Japão, em 2006, e da África do Sul, em 2010, e é mais barato do que os estádios que estão sendo construídos para a Eurocopa", disse o secretário-executivo do Ministério dos Esportes, Luiz Fernandes, em resposta às críticas veementes feitas em um seminário realizado pela Rádio CBN.

A Copa do Mundo pode ser criticada por uma série de razões, como os custos dos estádios, as privatizações mal explicadas, as remoções forçadas e os desmandos da FIFA, mas ela não explica a qualidade da saúde e da educação pública. Entre 2000 e 2010, o gasto público per capita por ano com saúde passou de US$ 107 para US$ 466, de acordo com dados do Ministério da Saúde e da Organização Mundial da Saúde.
 
No mesmo período, a porcentagem do orçamento público destinado à saúde foi de 4,1% para 10,7%. Se todo o dinheiro dos novos estádios fosse para o setor o gasto per capita com saúde passaria para US$ 506. Se todos os recursos investidos em tudo o que a Copa antecipou também fossem destinados à saúde a despesa per capita chegaria a U$S 606. O problema é outro. Os Estados Unidos despendem US$ 3,7 mil ano com a saúde de cada americano. A Noruega chega a US$ 6,8 mil ano por cada norueguês. O dilema que a matemática não resolve é se um aumento agora de cerca de U$S 150 por ano para a saúde de cada brasileiro seria melhor ou pior do que a aposta de uma injeção extra na economia de R$ 142 bilhões e a criação de 3,63 milhões de empregos-ano conforme a previsão não desfeita pela Erns & Young e pela Fundação Getúlio Vargas com a realização do mundial.


Paulo Vasconcellos Via - cartamaior.com.br

Joaquim Barbosa saiu do STF para não cair do pedestal

Barbosa deixou o STF para não descer do pedestal. Sem o mensalão, sua vida na Suprema Corte acabou. Não tem mais razão de ser. É ladeira abaixo.


A pergunta mais importante sobre Joaquim Barbosa é a mesma que Marx expressou em "O 18 Brumário de Luís Bonaparte": é preciso refletir sobre as circunstâncias e condições que possibilitaram a um personagem medíocre e grotesco desempenhar um papel de herói.

Joaquim Barbosa tem muito em comum com o ex-presidente Jânio Quadros.

Ambos renunciaram aos cargos que eram o ponto máximo que cada qual almejou em sua carreira. Jânio largou a Presidência da República. Barbosa abdicou de seu trono no Supremo.

Jânio fez sucesso falando em acabar com a corrupção e tratando os políticos, genericamente, como bandidos - a principal vítima foi o presidente Juscelino Kubitschek. Barbosa fez algo muito parecido. Só não empunhou a vassourinha.

Jânio isolou-se politicamente. Depois que renunciou, só se falava de quem assumiria em seu lugar. No caso, era João Goulart, tratado como um perigo.

Barbosa saiu e seu futuro substituto na presidência do STF, Ricardo Lewandowski, é alvo de mil e uma hostilidades.

Barbosa deixou o STF para não descer do pedestal. Sem o mensalão, sua vida na Suprema Corte acabou. Não tem mais razão de ser. É ladeira abaixo.

Barbosa brigou e isolou-se de praticamente todos os seus pares e de todos os seus apoiadores.

A ojeriza é seu principal currículo. A desmoralização de tudo e de todos foi seu principal discurso e uma maneira fácil de conseguir muitos adeptos.

Nunca alguém em uma posição tão qualificada foi tão bom martelo para os golpes dos que se interessam não em mudar a política, mas simplesmente em desqualificá-la.

Para juízes, advogados e membros do Ministério Público, Barbosa começou como uma boa promessa e terminou como uma grande decepção.

Eles o consideravam sangue novo no Supremo. Era alguém que poderia levar adiante causas importantes e, muitas vezes, esquecidas.

Barbosa saiu do STF virando as costas para essas grandes causas. Nem mesmo aquelas que seriam óbvias para alguém com sua origem tiveram seu entusiasmo. 

A demarcação de terras quilombolas e indígenas, por exemplo, continua intocada. É uma obra inacabada sobre a qual Barbosa não moveu uma palha. 

A demarcação da reserva Raposa Serra do Sol, objeto de uma decisão do STF em 2009, só teve seu acórdão publicado quatro anos depois - mesmo assim, sem que fosse considerada como regra geral a ser aplicada a outros casos.

Tribunais de todo o país aguardam, há anos, decisões sobre um número recorde de processos que dependem do STF. Um legado da gestão Barbosa foi o de transformar o STF no gargalo supremo da Justiça brasileira.

A AP 470, considerada por alguns como seu "grande legado" e, por ele mesmo, como ponto alto da história do STF, sequer estabeleceu critérios para se tratar casos homólogos, como o mensalão do PSDB e o do DEM.

O legado da AP 470 se resume a meia dúzia de presos, e não a qualquer avanço no combate à corrupção. Sequer firmou-se um critério de julgamento para casos futuros. Portanto, não é exemplo de nada.

Barbosa tratou seus pares a pontapés; generalizou acusações contra advogados e juízes, como se todos fossem maçãs podres; mandou jornalistas chafurdarem no lixo.

Tudo isso atraiu a atenção e até o entusiasmo de quem não gosta de advogados, juízes, jornalistas e políticos. Mas o que trouxe de construtivo para o País? O que gerou de mudança? Absolutamente nada.

Barbosa é tão importante para a história do País quanto um Jânio Quadros. Arrogância, destempero verbal e o gosto por tratar quem quer que seja como corrupto podem até angariar simpatia, mas até hoje não trouxeram qualquer contribuição efetiva para mudar a política.

Pouco importa o destino de Barbosa. A única dúvida relevante que fica é a mesma que Marx expressou em "O 18 Brumário de Luís Bonaparte": é preciso refletir sobre as "circunstâncias e condições que possibilitaram a um personagem medíocre e grotesco desempenhar um papel de herói”.


Por Antonio Lassance (Cientista Político), na Carta Maior - Via cartamaior.com.br

quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

Welcome 2014!!!

Façam suas apostas, 2014 já começou!!! E tem muita gente apostando, fazendo vaquinha, bolão, macumba, mandinga etc... não quero ser tão pessimista assim, mas é preciso uma coisa antes de tudo: Economizar. O brasileiro tem a péssima mania, de no fim de cada ano, gastar, exceder, extrapolar o orçamento, quase sempre dando o passo maior que a perna, ou seja, consumindo demasiadamente. São as festas de Natal e Ano Novo, os presentes, as reformas da casa, as roupas, quase sempre brancas, as viagens ao litoral e afins, a troca do carro, um enfeitesinho aqui, outro ali, trocar o celular, preciso de um novo not book, não eu quero um tablet, este da promoção, mais um sapato aqui, um relógio ali, uma prancha de surfar pra colocar em cima do carro, leva toda a família pra praia, mais o primo que veio passar as férias, aquele vizinho que não sai da sua casa, compra presente pra todo mundo de novo, e banca os almoços, jantares, lanches, sorvetes, e derrete ligeiro haja gelo, mas refrigerantes, cervejas, cigarros, água de coco, cd's, dvd's, enciclopédias, frutas etc, o que achar no caminho, e principalmente na volta pra casa lembrancinha pra todo mundo, "Estive onde o diabo perdeu as botas gastei uma grana que não tinha e lembrei de você que ficou em casa e economizou e não se estressou nem 1% do que eu", está deveria ser a frase.
E vem o mês de janeiro, e quem paga a conta? Geralmente quem paga o pato. Por falta de juízo ou raciocínio, o povo brasileiro,  classe média-baixa ou a nova classe média da Dilma, no calor do momento e atendendo aos apelos da publicidade, gasta por gastar, consome por consumir e acaba contraindo dividas absurdas e desnecessárias no período de fim-começo-de-ano, quando este teria que ser o período para zerar os ponteiros e saldar as dívidas e por que não, abrir uma caderneta de poupança nem que seja para depositar R$50,00 por mês ao invés de fazer outras dívidas novinhas em folha?. Economistas recomendam: é muito mais vantagem emprestar dinheiro AO banco do que emprestar dinheiro DO banco. Mas quem quer saber disso? O clima pede excessos, é verão no Brasil e estamos no hemisfério e quem está de férias não quer saber em quanto fechou a bolsa de valores ou da crise na Ucrânia, quer curtir e aproveitar seu cartão de crédito ou débito, o xeque especial ou o pré-datado. E isso é só o começo, ainda tem o carnaval e neste ano a copa do mundo aqui no Brasil,  e a inflação comendo, o IPI voltando a  subir, os juros e sobrejuros adoidados, eterna bola de neve, mas o salário subiu!!! Falsa ilusão um mísero reajuste engana-bobo. Ficai atentos e vigiai, o mar não está assim tão pra peixe, quem economiza sempre tem, e portanto fica a dica, mais vale "cinquentão" dentro do caixa eletrônico guardado imaculadamente, do que "cinquentão" na mão.

Por Henry Claude Stelmarsczuk

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

4º EDIÇÃO DO MDXHC ROCK FEST!!!

"O MD vs HC Rock Fest chega na sua 4ª edição. O evento, inspirado na cena independente do rock iratiense e regional caracteriza-se como mais uma opção para o público amante da música e, sobretudo do rock. O objetivo do evento é promover o intercâmbio cultural e incentivar a cultura musical, abrindo espaço para as Bandas Independentes que ainda são vistas com pouca projeção. Através do festival, músicos da cidade e da região têm a oportunidade de apresentar e divulgar seus trabalhos. 5 Bandas devem passar pelo palco do evento, mesclando estilos, ritmos, e criações próprias.

BANDAS:

TRAPUS DE LUXO - IRATI
ESCULTORES DE ALENTO - IRATI
SEM SYSTEMA - IRATI
INFERNUS OMERSAS - IRATI
MAKINARIA - GUARAPUAVA
MOTOR BASTARDS (MOTORHEAD COVER) CURITIBA


DIA: 13 DE SETEMBO DE 2013 (Sexta Feira)
LOCAL: SUOBRI (Clube Operário) – Irati – Paraná
INÍCIO: 22:00 Horas

INFORMAÇÕES E RESERVAS DE INGRESSOS:
Copycenter Copiadora e Gráfica (42) 3422-2424
Burguer Mania (42) 3422-6888
Duda (42) 9947-5277
Henry Claude (42) 9929-9621


Agradecemos mais uma vez a todos os envolvidos e simpatizantes por mais este evento. Este é um evento de Bandas Independentes, música, cultura, diversão e muito barulho. Venha participar !!!"

segunda-feira, 12 de agosto de 2013

AGOSTO MÊS DO DESGOSTO: MÊS DO ROCK

Está confirmado para este mês a quarta edição do rock fest MDXHC, o evento já está se tornando tradicional no cenário cultural de Irati e região, por promover a cena underground do rock regional. Aguardem, em breve sairá o folder oficial do evento e os organizadores já garantem que teremos as melhores performances do rock/heavy/trash/punk/alternativo numa noite de muita selvageria musical e cerveja...
Acima, MD e HC os fundadores do projeto piloto.
Créditos das fotos: David Gilmour

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Inácio Martins com clima europeu


















Estas fotos são uma pequena amostra de como foi a neve e o fio em Inácio nesse inverno. O cenário simplesmente se transfigou-se em paisagens típicas da Europa e dos países frios, do dia para noite, a evidencia da neve foi tanta que o gelo acumulou-se 10 cm em cima dos telhados e só foi terminar de derreter na sexta dia dia 26/07, 3 dias depois do ocorrido, pois a geada e o clima frio conservou o fenômeno. Inácio é uma das cidades mais altas do Paraná, está a 1085 metros do nivel do mar, consequentemente é uma das mais frias, embora muito acreditem que Palmas leva esse título, somente quem conhece Inácio Martins é capaz de entitulá-la como uma das cidade mais frias do Paraná, e também do Brasil, visto que a ocorrência da neve neste inverno justificou este fato. Embora não tenha sido muito divulgada nas reportagens sobre o inverno do Paraná, a cidade de Inácio Martins foi a mais atingida pela neve e pela geada, e seu cenário ficou transfigurado, a neve veio dar um clima europeu a cidade, tornando-a mais charmosa e bonita.

Por Henry Claude Stelmarsczuk
Crédito das fotos: Kelly Sokoloski

segunda-feira, 22 de julho de 2013

Poema ao Mate


 
Foi o mate nosso alimento
das tropeadas a bebida e o sustento
que o índio empunhava em sua mão
num gesto de bravura e sentimento...


compartlihando de mão em mão
junto com canha e a rapadura
nas noites de inverno e manhãs frias do meu estado
a peãozada repassando o trago
no lombo de seus cavalos
os sonhos da querência
sendo carregados além fronteira
junto com o chima e a chaleira
num ritual que se renova
a energia daquele que peleia
desbrava, se arrisca e leva a tropa
na chincha, cortando o estradão paranaense
em suas veias a correr selvagem a Iléx Paraguaienses

Por Henry Claude Stelmarsczuk

quinta-feira, 21 de abril de 2011

CÓDIGO FLORESTAL EM PERIGO


Por Sergio Bucco


          Pensemos bem, se fossem os "sem terra", os camponeses, os pequenos agricultores... que estivessem reclamando dos prejuízos causados pelo nosso Código Florestal Brasileiro (CFB), então deveríamos dar ouvidos, prestar toda a atenção possível, tomar as providências necessárias e até pressionar os nossos deputados e senadores para minimizar (reformar) o atual CFB. Mas não são estes que reclamam dos limites ambientais impostos pelo CFB. E quando algumas partes destes segmentos populares o fazem é porque foram manipulados pela minoria latifundiária (grandes proprietários de terra) que têm uma sede insaciável de produzir mais e mais a todo e qualquer custo (conforme reiteradas vezes temos aqui afirmado)! Quem mais precisa da terra para viver, se organizar, plantar, colher, criar, se alimentar, se desenvolver de forma sustentável não está reclamando ou fazendo lobbies no congresso e na mídia pelo fim do atual CFB. O Brasil não precisa mais de soja, de bois, de pinus, eucaliptus... para se desenvolver. Até porque estes produtos  não são os alimentos tão propagados pelo agronegócio como desculpa para destruir o Código Florestal Brasileiro. De modo que poderíamos contrapôr-nos à pecha de atraso do Brasil por conta da Lei Ambiental, para quem quer a todo custo proteger o restinho que está sobrando da ex-Natureza e/ou ex-riqueza ambiental brasileira.

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

DEPUTADO DR ROSINHA DENUNCIA ESQUEMA DE CORRUPÇÃO NA AL DO PR

video

Graças às investigações dos Meios de Comunicação (especialmente ao trabalho de Jornalistas do Estado do PR) e a esta denúcia na Câmara Federal sobre a situação de desmando e corrupção na Assembléia Legislativa do Paraná, é que foi instaurado um processo no MP paranaense.
Na sequência a Mesa Diretora deveria ser afastada, mas 47 dos deputados/as paranaenses foram contra esta distituição e apuração dos fatos ou ficaram em cima do muro!
E aqui se aplica um dos ditados que "quem cala consente!"
Agora no período eleitoral muitos destes/as deputados/as estão em nosso município e em outras regiões do Estado pedindo o nosso voto, fazendo de conta que está tudo certinho, que eles/as não têm nada a ver com os 100 milhões desviados pela AL, com os 800 empregos fantasmas, incluindo crianças e mortos.
Ainda há tempo de verificar quem são estes/as antes de darmos nosso sagrado voto.
Os corruptos e omissos não se elegem sozinhos. Elegem-se com os nossos votos!

domingo, 11 de abril de 2010

CLEMENTE ZUBRESKI NA CONFERÊNCIA NACIONAL DE CULTURA

Nosso amigo e companheiro de caminhada, o Clemente Zubreski, de Candói, esteve em Brasília, entre os dias 11 a 15 de março de 2010, na Conferência Nacional de Cultura, representando o Estado do Paraná, especialmente a nossa Região Centro Sul do PR. Ou seja, nós de Candói fomos bem representados por uma pessoa que tem talento, tem dom para a Arte, tem  expontaneidade, capacidade de comunicação, que está cursando uma faculdade de Arte, dentre outros atributos... Bem, sobre o esposo e pai que é, deixemos que falem a Rose, o Lucas e a Hiana.
Bem, o certo seria falarmos aqui não tanto enaltecendo a figura do amigo, mas sobre a CNC, mas como não dispomos de elementtos ainda, deixemos apenas esta nota prévia.

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Ampliação do CESTAC'andói

A anos vem se arrastando o projeto de ampliação do Colégio Estadual Santa Clara (CESTAC), único colégio estadual na sede do município de Candói/PR. Anteriormente retornou ao Estado uma verba de 1 mi de reais devido a broblemas no processo de licitação da empresa que construiria. E agora, a a partir deste ano (2009) a nova Diretoria e Associação (APMF) apresentaram um novo projeto de ampliação ao Estado. E, através de reivindicação direta junto ao Governador Roberto Requião, foi conseguido dobrar os recursos para ampliação do predio do CESTAC. O Núcleo Regional de Ensino (NRE de Guarapuava) teve papel fundamental nesta conquista. A comunidade candoiana, especialmente Educadores e Educandos, estão contentes, na expectativa de poder ver seu prédio ampliado e de ter melhores condições para estudar e desenvolver o conhecimento científico.
Não é surpresa para ninguém que estão aparecendo na imprensa os 'mentores', os 'pais', os 'padrinhos', os 'avós', os 'donos' deste projeto e reivindicação... Pois as Eleições de 2010 já chegam e como manda a velha tradição coronélica alguém tem que tirar proveito.

domingo, 26 de julho de 2009

OBRAS NA PRT 153

Todos que frequntemente estao utilizando a nossa PRT 153 , que liga a cidade de União de Vitótia e a BR 277 está passando por obras em todo o seu trajeto . Do trevo de acesso a UNICENTRO , sentido a cidade de Irati , as obras estão sendo feitas de forma espetacular , bem feitas , com extrema qualidade , dá gosto andar naquele trecho de rodovia , mesmo ainda sem faixas de sinalização pintadas . Um presente para os universitários , que se deslocam de onibus de outras cidades para realizar seus estudos .
Porém . o restante de rodovia , da UNICENTRO até a a cidade de União da Vitória , o tratamento com a recuperação do asfalto não é o mesmo , há um pessimo serviço feito , pois o materia é de baixissima qualidade , e o pior de tudo , sem melhorias . Até piorou a situação da mesma , pois , não há menhuma faixa para que o motorista se guie , em extrema quantidade de residuos de asfalto na lateral da pista , aumentando o perigo de se sofrer um acidente , andar de moto é desconfortável pela quantidade de pedrinhas que levantam quando um carro passa ou quando esta atrás de outro carro ou caminhão .
Todos estes problemas não são ainda os piores , pois a estrada , alem de tudo está com os mesmos buracos , todos estão lá , no mesmo lugar de sempre , as vezes maiores , as vezes menores , mas eles estão la . Todos se perguntam : De que adianta gastar um montante de dinheiro erradamente ? De que adianta fazer uma obra mal feita ? Já que é apenas uma tapa buraco , porque esta demorando tanto , causando riscos a todos que passam por ela ?
Dentre todas esses problemas , o pior é saber que é o nosso dinheiro que está sendo jogado fora sem resultado algum .



FELIPE RAFAEL HOMIAK